domingo, 17 de julho de 2011

Mérida - Relato de Viagem;

MÉRIDA

"Neste Relato o Forasteiro fala de suas experiências ao visitar as ruínas Maias!" 

ONDE SE INICIA O CARIBE



O México é um país que estou aprendendo a gostar, viajar por aqui nunca foi tão fácil, o ônibus é eficiente, mesmo a empresa Ado monopolizando o meio e encarecendo as passagens. Do lado dos terminais estão as hospedagens mais baratas, em Mérida consegui uma hospedagem com banho privado por apenas 100 pesos.
Um ônibus te deixa na entrada das ruínas de Itza por 62 pesos, um pacote custa 120 dólares na cidade e inclui guia na visita, como não quero saber de guias, vou por conta, a única coisa que me deixou aborrecido foi não me deixarem entrar com meu tripé só sítio arqueológico, cobravam 3600 pesos... Isso me magoou bastante, como posso fazer minhas filmagens!
Peguei o primeiro ônibus para Chichen Itza e valeu a pena ter acordado às cinco da madruga, sai às 6hs e depois de duas horas estava no sítio arqueológico, o funcionário do guarda volumes e os vendedores de artesanato nem haviam chegado, digo isso, porque às 11hs todos os turistas começam a chegar de Cancún e Mérida, em grupos, ai fica difícil tirar fotos, muita gente! Sem contar que cedinho o clima é mais ameno, porque digo: Na península de Yucatan nessa época do ano faz muito calor, a umidade do ar chega a 85%, e lá pelas 4 horas da tarde é quando passo mal, de tão abafado que fica o ar, os vários bares de Mérida não tem ventiladores eficazes, é quando apelo para as cervejas, aqui a coroa, e é por volta dessas horas que cai a tempestade diária, cerca de meia hora de chuva forte, que bastam para alagar as estreitas ruas históricas da cidade, e molhar todo meu All Star!
 Vou provando tacos, picadillos, chincharron... Tudo muito gorduroso e picante, o que eu mais gosto é que tudo é feito na rua em pequenas barracas.
Os mexicanos sempre me perguntam se sou argentino ou espanhol, porque falo o castelhano muito rápido, eu também tinha percebido isso, achava que os mexicanos apertavam a tecla slow para falar, rsrs...
Voltando a Chichen, digo que as ruínas não me impressionaram, eu já esperava que isso fosse acontecer, depois de Machu Picchu e Angkor, mas eu tenho alguns motivos que me levaram a não se comover com os templos Maias: Em todos lugares que visitei até então, nunca implicaram com o “Hubble”, segundo detalhe:não  transcender provando do local, e pra mim só olhar as ruínas e não poder tocar, não poder subir, sentar, beijar, adentrar é como se estivesse vendo as imagens pela TV. Vão me dizer da preservação, mas em Machu Picchu pude tocar, no Taj Mahal pude Beijar... Aqui o máximo que as pessoas fazem são bater palmas para escutar o eco produzido pelas construções, por todos os lados vejo os turistas cantando parabéns pra você, turistas irônicos!
A história Maia, a pirâmide é legal, mas sei lá... Faltou algo pra me encantar! Já as mexicanas diria que a maioria me encanta, quando chega a tardinha vão para a praça da cidade escutar música em seu Ipode, vão escrever algo em seus lap tops, mas que na verdade estão lá para namorar!
Mérida é uma cidade colonial ao estilo espanhol e os bares até hoje lembram os saloons do velho oeste, nunca se vê o que acontece lá dentro. Os ônibus são os mais antigos possíveis: jardineiras verdes que não via desde quando estive na Bolívia. 
Os mexicanos parecem ser mais apaixonados por futebol do que os brasileiros, a todo momento eles estão assistindo um jogo, a camisa que mais vejo pelas ruas é a do Chivas, bom agora é hora de zarpar rumo a Cancún.




       HOME                                             VOLTAR
                       



Nenhum comentário:

Postar um comentário